Embaixador Yang Wanming quer relação “ganha-ganha” entre China e Brasil

Para o novo embaixador da China no Brasil, uma convergência pragmática e de qualidade entre os dois países pode impactar positivamente na economia mundial e para um "ganha-ganha" bilateral.

0
402
Embaixador Yang Wanming em primeira visita a São Paulo. Divulgação.

O novo embaixador da China no Brasil, Yang Wanming, acredita que o atual momento econômico e político do Brasil será fundamental para a decolagem da relação bilateral, e que uma convergência pragmática e de qualidade entre os dois gigantes pode contribuir para a prosperidade da economia mundial e para um “ganha-ganha” entre China e Brasil.

“O crescimento da economia mundial ainda está anêmico, e sofre grande pressão. Neste contexto, nossos dois países devem aproveitar ao máximo o enorme potencial de mercado e a alta complementaridade econômica para elevar ainda mais a qualidade e o nível desta parceria pragmática, dando, assim, mais contribuições para o desenvolvimento dos
dois países e a estabilidade da economia global”, apostou o embaixador ante uma platéia de alto nivel de empresários e autoridades reunidas pelo LIDE China巴西商业领袖组织—中国区, no hotel Four Seasons, em São Paulo. 

Em sua primeira visita a São Paulo desde que assumiu a embaixada há dois meses, Wanming passou um grande otimismo aos líderes, que estavam reunidos para comemorar os dez anos desde que a China se tornou a principal parceira comercial do Brasil. “A China quer ampliar a cooperação”, reforçou a principal autoridade da China no Brasil, estimulando a necessidade de “construir uma parceria de longa data, com estabilidade, de benefício recíproco, um ‘ganha-ganha'”.

“Na perspectiva global, devemos trabalhar juntos para promover a governança da economia global”, advertiu o embaixador, citando a importância de mecanismos multilaterais como o BRICS, o Fórum para a Cooperação Internacional, e a iniciativa chinesa Um Cinturão e uma Rota, que pode desenhar, segundo ele, uma nova agenda bilateral de desenvolvimento com o governo de Jair Bolsonaro.

Cenário positivo no Brasil

O embaixador destacou as reformas que estão sendo feitas no Brasil, especialmente na economia, podem trazer resultados mais concretos para os dois países. “Estima-se que, nos próximos 15 anos, as importações chinesas de bens e de serviços vão superar os US$ 30 trilhões e US$ 10 trilhões, respectivamente”, anunciou Yang Wanming sobre as oportunidades comerciais, que também podem evoluir da velocidade à qualidade dos negócios.

“A economia chinesa está mudando de um crescimento em alta velocidade para um desenvolvimento focado na qualidade”, explicou o embaixador sobre o crescimento do PIB chinês, que ano passado avançou 6,6% em relação ao ano anterior, o menor resultado desde 1990, mas ainda assim, enorme para os padrões globais, chegando a US$ 13,6 trilhões, com uma estrutura econômica cada vez mais otimizada e mais focada na  indústria de alta tecnologia.

Embaixador Yang Wanming fala para empresários em SP. Divulgação

Segundo dados do embaixador, a parceria Brasil China já alcançou um novo patamar, ultrapassando ano passado a casa dos US$ 100 bilhões, consolidando a China como o maior parceiro comercial do Brasil por dez anos consecutivos. O investimento chinês também tem sido o que mais cresce no Brasil, com um estoque total de quase US$ 70 bilhões.

A qualidade do comércio também tem melhorado, com a oferta brasileira de produtos de maior valor agregado, além dos produtos agrícolas, para artigos de consumo de alto padrão e aeronaves regionais, enquanto o investimento chinês sobe na cadeia de valor no Brasil, entrando em setores como manufatura avançada, novas energias e TI.

O embaixador Yang Wanming também destacou os progressos em cooperação financeira, com o interesse de instituições financeiras e seguradoras da China no Brasil. O Fundo de Cooperação Brasil-China, por exemplo, fez um aporte de US$ 20 bilhões para projetos de aumento de capacidade produtiva, enquanto o Novo Banco de Desenvolvimento do BRICS tem financiado projetos na China, no Brasil e em outros BRICS.

A infra-estrutura está entre as prioridades que o embaixador quer estimular entre os dois governos.  “O novo governo brasileiro considera a infraestrutura uma de suas prioridades, e as empresas chinesas têm vantagens gerais nesse quesito. Podemos incrementar a sinergia para melhorar a infraestrutura do Brasil, dando mais força para o seu crescimento econômico”, disse o diplomata que desde sua chegada ao Brasil tem se reunido com autoridades importantes do governo Bolsonaro.

“O próprio Presidente Jair Bolsonaro expressou a sua vontade de aprofundar o nosso relacionamento, sobretudo, a relação comercial”, destacou o embaixador, que pediu a colaboração dos empresários como a principal força na parceria Brasil-China. Simpático, e fazendo esforços por se comunicar em português, Yang Wanming, desejou prosperidade a todos no Ano do Porco, no encontro que terminou com uma tradicional Dança do Dragão.

Embaixador Yang Wanming com o presidente do LIDE, Luiz Fernando Furlan. Divulgação

O evento do LIDE China em homenagem ao embaixador e à parceria Brasil China, contou com autoridades como o vice-governador de São Paulo Rodrigo Garcia, o Secretário da Fazenda de São Paulo, Henrique Meirelles, o Secretário de Relações Internacionais de São Paulo, Julio Serson. Participaram também o presidente do LIDE, Luis Fernando Furlan, o Chairman do LIDE China, José Marcelo Braga Nascimento, e a Cônsul Geral da China em São Paulo, Sra. Chen Peijie, além do presidente da FIESP, José Ricardo Roriz Coelho, e o Presidente da Associação Brasileira de Empresas Chinesas (ABEC) e da XCMG, Wang Yan Song, e executivos de empresas brasileiras e chinesas como a Haitong, BYD e China Ghezhouba Group Co.