China projeta um avião que vai de São Paulo a Pequim em três horas

A China desenvolve o I-plane, o avião do futuro, quatro vezes mais rápido que o Concorde francês.

0
3045
I-plane 3 horas entre São Paulo e Pequim
I-plane 3 horas entre São Paulo e Pequim

O avião dos sonhos, capaz de fazer em três horas o percurso entre São Paulo e Pequim, que hoje leva quase 24 horas, é a promessa de um equipo de pesquisadores da Academia Chinesa de Ciências que desenvolve o protótipo do I-plane. Seria o fim das cansativas viagens internacionais em aviões cada vez mais desconfortáveis e apertados, e quase o teletransporte imaginado nos filmes de ciência ficção.

O protótipo, que está sendo chamado de I-plane, viajará a mais de 6.000 km por hora (velocidade hipersônica) e é um modelo biplano, com formato aerodinâmico e asas em delta, semelhante aos utilizados durante a Primeira Guerra Mundial, com capacidade para transportar de forma a transportar dezenas de pessoas e toneladas de carga.

“Levará apenas um par de horas a viajar entre Pequim e Nova Iorque a uma velocidade hipersônica”, afirmou ao jornal South China Morning Post, Cui Kai, líder da equipe de pesquisadores.

Um artigo de Kai, publicado na revista científica  Physics, Mechanics and Astronomy, da editora Science China Press, conta em detalhes o projeto que pode se tornar uma das formas de locomoção no futuro.

Protótipo do I-plane desenhado por cientistas chineses
Protótipo do I-plane desenhado por cientistas chineses

Os cientistas testaram com sucesso uma versão reduzida do avião, em um túnel de vento que foi também utilizado para testar protótipos chineses de armas hipersónicas. Durante o teste, o avião foi lançado a uma velocidade quase sete vezes superior à do som (1.235 quilómetros por hora),chegando até 8.600 km/h sem sofrer nenhum dano na sua estrutura. Essa é quase quatro vezes a velocidade do Concorde, que ia da França aos Estados Unidos em menos de quatro horas.

A China e os Estados Unidos tem trabalhado no desenvolvimento de armas e veículos hipersónicos, capazes de ultrapassar sistemas antimísseis, sempre para fins bélicos, e este seria o primeiro a testas veículos hipersónicos com a finalidade de transportar passageiros.

O design diferente tem resolvido alguns dos problemas encontrados nos aviões hipersônicos projetados anteriormente, mas ainda deve superar muitos empecilhos até ser viável comercialmente.

A capacidade do avião é um deles. Enquanto um Boeing 737 pode transportar cerca de 200 passageiros, um I-Plane do mesmo tamanho só consegue levar até 50 pessoas, o que tem um impacto considerável no preço das passagens, que seriam bem mais caras. Isso acontece por causa da sustentação do avião, que é diferente dos modelos tradicionais.

“Ainda há muitos problemas por resolver. Como desenhar uma configuração aerodinâmica mais avançada é um deles”, explicam no artigo a equipe de pesquisadores liderada por Kai.

Ainda vai levar um bom tempo para que esse tipo de tecnologia seja viável e possa ser  utilizada pelo mundo, mas a iniciativa chinesa já é um bom termômetro do que poderemos ver em inovações do setor aeronáutico no futuro. Infelizmente não será tão cedo que veremos esta maravilha, mas não custa sonhar com o dia que será possível viajar rapidamente, na velocidade do som, e com conforto.