A semana foi boa para as expectativas de recuperação da economia chinesa. As exportações da China voltaram a subir em março, aumentando 18,7% em relação ao mesmo mês de 2015, enquanto as importações caíram 1,7%, em estimativa anual. O aumento do total do comércio exterior foi de 8,6%, e o primeiro crescimento considerável desde setembro de 2014, já que comércio do gigante asiático retraiu no ano passado.

Segundo dados da Administração Geral de Alfândega da China, o superávit comercial do gigante asiático foi de 194,6 bilhões de yuanes (aproximadamente 105 bilhões de reais). Em janeiro e fevereiro, o comércio da China com outras economias caiu por conta das férias do Ano Novo Lunar. Em fevereiro o país sofreu a sua maior queda desde 2009.

A recuperação das exportações em março, que alcançaram 1,05 trilhões de yuans (em torno de 567 bilhões de reais), superou as expectativas dos analistas, após a queda de 20,6% em fevereiro, a maior em quase sete anos.

As importações, continuam em queda, mas num ritmo mais moderado, de até 1,7%, em comparação com os últimos meses – em fevereiro registraram queda de 8% e em janeiro de 14,4%. Desde novembro de 2014, o valor das importações chinesas caiu em todos os meses em termos anualizados, o que é atribuído à queda nos preços das matérias-primas, especialmente do petróleo, e ao enfraquecimento da demanda interna.

A China fechou o primeiro trimestre com uma queda acumulada em suas trocas comerciais com o exterior de 5,9%, na qual as retrações de 4,2% nas exportações e 8,2% nas importações a deixaram em 5,2 trilhões de yuans (aproximadamente 2,8 trilhões de reais). O comércio do gigante asiático com seus três principais parceiros comerciais sofreu redução nesse trimestre: queda de 1,4% anualizado com a União Europeia (UE), de 3,4% com os Estados Unidos, e de 8,5% com a Associação de Nações do Sudeste Asiático (Asean).

Boa notícia para o Brasil

Já as importações de commodities aumentaram em março, o que é uma boa noticia para os emergentes e para o Brasil, especialmente no que se refere a minério de ferro. As compras de petróleo, minério de ferro e cobre da China subiram em março em relação a igual mês do ano passado. As compras chinesas de petróleo bruto registraram em março um avanço anual de 13%, a 32,61 milhões de toneladas, o equivalente a 7,71 milhões de barris por dia.

As importações chinesas de minério de ferro subiram 6,5% na comparação anual de março, a 85,77 milhões de toneladas, enquanto as de cobre apresentaram ganho de 39%, a 570 mil toneladas.

No primeiro trimestre, as importações de petróleo bruto da China cresceram 13% frente ao mesmo período de 2015, a 91,1 milhões de toneladas, enquanto as de minério de ferro avançaram 6,5%, a 241,56 milhões de toneladas, e as de cobre, 30%, a 1,43 milhão de toneladas.