Até o final do 12º Plano Quinquenal, que terminou em 2015, a capacidade instalada acumulada de energia fotovoltaica deve totalizar 43 milhões de quilowatts na China, superando pela primeira vez a Alemanha e ficando em primeiro lugar no mundo, informa o portal China.org.

Este é um novo salto no novo campo de energia sustentável do país após alcançar o primeiro lugar mundial na sua capacidade instalada de energia eólica.

As usinas de energia solar têm um efeito particularmente significativo no controle da poluição ambiental e redução das emissões de gases de efeito estufa. Só em 2015, a capacidade de geração de energia fotovoltaica da China chegou em 39,2 bilhões de quilowatts-hora, o que pode substituir o carvão em bruto em 17 milhões de toneladas e reduzir as emissões de dióxido de carbono em 31 milhões de toneladas.

A cidade de Dezhou, no noroeste do país, na província de Shandong, é um dos símbolos do avanço rumo a uma matriz energética menos poluente. A cidade já tem cerca de 120 empresas de energia solar.

A contaminação por energias não renováveis é um dos principais problemas da China.