O mundo não teve em 2015 um dos seus melhores anos. O Brasil que o diga! Mas a China aumentou sua aposta em mais investimentos para sair da crise. E desenvolvimento e crescimento só ocorrem com investimento.

Segundo relatório divulgado pelo escritório mundial de advocacia Baker & McKenzie, a China investiu no ano passado cerca de US$ 38 bilhões nos Estados Unidos e na Europa.

Os setores mais estratégicos foram bens imóveis, automóvel, finanças e tecnologia da informação. Além da compra de empresas.

EUA x Europa

Os Europeus, de novo, receberam mais investimento que os EUA. Em 2015, só no velho continente, a China investiu US$ 23 bilhões, aumento de 38%. Os americanos receberem no ano passado cerca de US$ 15 bilhões.

A China fechou 2015 com reservas de US$ 3,3 trilhões. E com um crescimento do PIB de 6,9%. Investir, segundo o relatório, é a forma que os chineses escolheram para não deixar sua economia esfriar.

Itália, França e Reino Unido foram os países que receberam mais investimento na Europa. Nova York, Califórnia e Texas foram os principais destinos do investimento chinês nos EUA.

No Xing-ling

Para quem ainda pensa que a China continua sendo o país do xing-ling, o relatório mostra que o investimento concentrou-se em alta tecnologia e na compra de grandes empresas, como as famosas vinícolas francesas.

Outro dado importante do relatório mostra que estes investimentos são de médio e longo prazos. O que aponta que a China está no caminho certo pra sair mais rápido da crise.