O ano de 2015 deve ser esquecido… Para muita gente a política e a economia entraram em processo de crise contínua. Os números falam por si. As prévias do PIB divulgadas pelo IBGE e pelo Banco Central mostram que será uma queda histórica, abaixo dos 3%.

Mesmo com menor corrente de comércio entre os dois países, o ano de 2015 representou um crescimento expressivo no saldo comercial. O resultado de US$ 4.9 bilhões representa um aumento de 49%, segundo o Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio do Brasil.

A corrente comercial fechou 2015 com US$ 66,3 bilhões. Abaixo de 2014 (US$ 77.9 bilhões) e do recorde histórico de 2013 (US$ 83.3 bilhões).

É bom lembrar que o comercio entre China e Brasil cresceu muito nos últimos anos. Em 2006, por exemplo, as exportações e importações fecharam o ano em US$ 16.3 Bilhões.

A China é o maior parceiro comercial do Brasil desde de 2012, quando desbancou os Estados Unidos. Essa parceria traz riscos e oportunidades. Mas em cenário de crise, o saldo comercial favorável ao Brasil ajuda a fechar as contas da balança de pagamento.

O enfraquecimento do Real ajudou a venda das mercadorias brasileiras, mas esse movimento tem um limite. O momento é de avaliação e de retomada, tanto para o Brasil como para a China, ambos enfrentam crises econômicas, mas continuam sendo dois gigantes.