O governo chinês autorizou a compra de carne 17 novas plantas frigoríficas brasileiras, sendo cinco de carne bovina, oito de aves e quatro de suína. Com a autorização da Administração-Geral de Supervisão de Qualidade, Inspeção e Quarentena (AQSIQ) da China, o setor calcula que cada um desses produtores exportará cerca de US$ 20 milhões por ano, o que significa um aumento de US$ 340 milhões nos embarques de carne brasileira para o mercado chinês.

Com a habilitação dessas 17 plantas, o Brasil passa a ter 65 frigoríficos autorizados a exportar carne para a China. Desses, 38 são de aves, 16 de bovinos e 11 de suínos. Em 2015, o Brasil exportou à China um total de US$ 1,1 bilhão em carnes, dos quais US$ 477 milhões em carne bovina, US$ 608 milhões em carne de frango e US$ 10 milhões em carne suína.

A secretária de Relações Internacionais do Agronegócio do Ministério de Agricultura (Mapa), Tatiana Palermo, afirmou que, desde o ano passado, quando o mercado chinês foi reaberto, a China se tornou um dos maiores importadores das carnes brasileiras, principalmente a bovina.

“A habilitação de mais 17 plantas vai contribuir para a ampliação das nossas vendas. Com esse importante esforço, as exportações brasileiras do setor de carnes devem crescer em valor e volume em 2016. Vamos continuar negociando a habilitação de novos estabelecimentos”, disse Tatiana Palermo.

O início das vendas depende agora da negociação entre os frigoríficos e os importadores chineses. As novas habilitações do governo chinês são resultado da missão oficial do Mapa àquele país, em novembro, quando foi anunciada a autorização de sete plantas frigoríficas. Na ocasião, a ministra Kátia Abreu e o ministro do órgão chinês, Zhi Shueing, concordaram em estabelecer um cronograma de trabalho para a análise dos outros estabelecimentos que aguardavam autorização para exportar.

Os dois ministros também destacaram a relação de confiança mútua entre os países e se comprometeram a manter contato frequente para melhorar o fluxo de informações e ampliar o comércio bilateral.

Onde estão as 17 novas plantas habilitadas:

Aves: Paraná (3), Rio Grande do Sul (2), Minas Gerais (2) e São Paulo (1).

Suínos: Rio Grande do Sul (2), Santa Catarina (2).

Bovinos: São Paulo (3), Minas Gerais (2)